SPACER

A visão da Ibab

Visão

A visão descreve um status futuro de uma comunidade: olhando para o futuro, como se pode descrever a Ibab? O que a Ibab quer ser amanhã?

A Ibab quer ser um sinal histórico do reino de Deus. Cremos que o ministério da Igreja é extensão do ministério terreno de Jesus: "assim como o Pai me enviou ao mundo, eu também vos envio" (João 17: 18; 20: 21). Nesse caso, cremos que Jesus inaugurou o reino de Deus, isto é, começou a trazer de volta todo o Universo criado para o controle de fato e de direito de Deus. Com Jesus, a vontade de Deus começa a ser feita na terra, como é feita no céu (Mateus 6: 10). A Ibab quer poder dizer a mesma coisa que Jesus dizia aos seus contemporâneos: "o reino de Deus chegou até vocês" (Lucas 11: 20).

Por ser uma extensão do ministério terreno de Jesus, a Ibab deve protagonizar os mesmos frutos através dos quais Jesus sinalizava a chegada do reino de Deus. Não estamos falando de sinais e milagres, mas sim dos frutos do ministério de Jesus, que resumimos em três expressões: salvação, libertação e restauração. Através do ministério de Jesus as pessoas eram reconciliadas com Deus; eram eram libertas da escravidão sob os espíritos da maldade; e tinham suas vidas completamente restauradas: corpo-alma, espírito, e suas relações e circunstâncias.

A Ibab quer ser um sinal histórico do reino de Deus. Olhando para o futuro, vemos a Ibab como uma comunidade - cidade edificada sobre o monte, composta por pessoas transformadas por Jesus (Mateus 5: 1 - 12), ativas em boas obras que servem de sinal da presença e manifestação de Deus no mundo (Mateus 5: 13 - 16).

A Ibab é um sinal histórico do reino de Deus quando pessoas se encontram com Deus, experimentam a restauração de suas vidas e se tornam agentes de justiça e paz na sociedade. Tanto seus participantes em particular, quanto ela mesma enquanto comunidade, mostram como seria o mundo se Deus estivesse no controle de fato e de direito.

Missão

Para concretizar sua Visão de ser um sinal histórico do reino de Deus, a Ibab possui uma Missão. Enquanto a Visão descreve o status futuro, a Missão descreve a atividade permanente da comunidade. Isto é, o que a Ibab precisa fazer para se tornar um sinal histórico do reino de Deus? A resposta a esta pergunta define a Missão Ibab.

A missão deixada pelo Senhor Jesus aos primeiros discípulos deve ser o referencial para a missão da Igreja (Marcos 16: 15; Lucas 24: 46, 47; Atos 1: 8). Dos registros da chamada Grande Comissão (Mateus 28: 18 - 20) podemos deduzir alguns princípios fundamentais:

Em primeiro lugar, que a abrangência da missão da Igreja é ilimitada. O texto de Mateus fala a respeito de toda autoridade, toda a divindade, todas as nações, todas as ordens do novo Rei, todos os dias. A abrangência deste comissionamento indica que a missão da Igreja extrapola a conversão do indivíduo, sendo, na verdade, um projeto global de redenção.

Em segundo lugar, deduzimos que o conteúdo da proclamação da Igreja envolve "todas as coisas que Jesus ordenou", e isto abrange muito mais do que "o plano da salvação individual". O evangelho todo, ou "todo o conselho de Deus" (Atos 20: 27), inclui a totalidade do propósito de Deus para a sua criação.

Finalmente, e em terceiro lugar, deduzimos que o comissionamento da Igreja está alicerçado no fato de que toda a autoridade está de volta nas mãos do Senhor Jesus. A Igreja é responsável por proclamar que o Universo tem um novo soberano, que o tempo da rebeldia cessou e que o reino de Deus foi inaugurado. Esta, na verdade, é a boa nova: haverá uma "consumação dos séculos", um fim bom para a criação, a instalação do reino eterno de Deus, e dele farão parte todos aqueles que a partir de agora se submeterem ao novo Rei, todos aqueles que se "arrependerem, e forem redimidos de seus pecados" (Marcos 1: 14, 15).

O fim último da missão da Igreja não é a conversão em massa de pecadores, mas a instalação definitiva do reino de Deus: "Santificado seja o teu nome, venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na Terra como no céu" (Mateus 6: 9, 10). Cremos que "não devemos separar a salvação do reino de Deus. Na Bíblia, estes dois são virtualmente sinônimos, modelos alternativos que descrevem a mesma obra de Deus. Quando Jesus disse aos seus discípulos: 'quão difícil é entrar no reino de Deus', parece ter sido natural que eles respondessem com a pergunta: 'Então, quem pode ser salvo?' (Marcos 10: 24 - 26). É evidente que, para eles, entrar no reino de Deus era o mesmo que ser salvo" [John Stott].

Em síntese, Deus não está apenas resgatando pessoas, está resgatando o Universo e restaurando a plena ordem e harmonia cósmica sob os pés do Senhor Jesus (Efésios 1: 10, 22, 23). À luz desta compreensão, devemos concordar com a declaração do Congresso Mundial de Evangelização, em Lausanne, Suíça, 1974: a missão da Igreja é levar o evangelho todo para o homem todo, para todos os homens, promovendo a manifestação histórica do reino de Deus como um sinal do que serão o novo céu e a nova terra. Isto define a ação integral da Igreja, que deve estar no mundo como o Senhor Jesus no mundo esteve: "Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós" (João 20: 21).

A missão da Ibab é levar o evangelho todo para o homem todo.

Quando falamos em evangelho todo, consideramos que evangelizar é, literalmente, anunciar boas notícias. Mas, que boas notícias são estas? São as notícias a respeito do reino de Deus, inaugurado no ministério terreno de Jesus Cristo. Evangelizar é convocar pessoas para que se rendam ao novo Rei para que possam participar do seu reino eterno, o que implica o apelo à conversão mediante o arrependimento e a fé, bem como o desafio do discipulado, mediante o "negar-se a si mesmo" para seguir integralmente a Jesus (Mateus 16: 24, 25). A Ibab compreende que evangelizar é mais do que fazer convertidos, é fazer discípulos que obedecem todas as coisas que Jesus ordenou (Mateus 28: 19, 20). A evangelização bíblica insiste que a conversão não é um ponto de chegada, mas apenas o início de uma nova vida, agora completamente submissa a Jesus Cristo, sob a ação do Espírito Santo de Deus (II Coríntios 5: 14, 15).

Também, quando falamos em homem todo, lembramos do ditado "corpo sem alma é defunto; alma sem corpo é fantasma". O evangelho destina-se ao ser humano completo: corpo-alma, espírito; e, portanto, diz respeito às questões emocionais, psíquicas, sociais, intelectuais, físicas e, principalmente, espirituais. A pessoa humana e suas relações e circunstâncias.

O ser humano não é um ser compartimentalizado. É uma unidade indivisível, sendo que suas dimensões de vida estão entrelaçadas e afetando-se mutuamente. O evangelho, porque é relevante para o espírito - que é a dimensão fundamental da vida humana - também é relevante para a saúde física, mental, psíquica, relacional, enfim, saúde integral.

Integral é, portanto, o adjetivo chave da missão da Ibab no mundo. O evangelho que anunciamos é integral, completo, o evangelho todo. E de igual modo, falamos ao ser humano integral, completo, o homem todo.

Por estas razões, definimos que a missão da Ibab é levar o evangelho todo para o homem todo.

Filosofia de ministério

Sabemos que a Ibab quer ser um sinal histórico do reino de Deus. Para que isso aconteça, a Ibab assume o compromisso de levar o evangelho todo para o homem todo. Estas duas afirmações, a respeito da Visão e Missão Ibab, podem ser adotadas por quase todas as igrejas cristãs. Mas cada igreja tem sua própria maneira de cumprir sua missão, e esta maneira peculiar é que distingue uma igreja da outra. Esta maneira peculiar, este jeito próprio de ser, chamamos de filosofia de ministério. A filosofia diz respeito às ênfases e valores peculiares de cada igreja local. É no conceito de filosofia que as comunidades deixam transparecer seu jeito de pensar e seus padrões de comportamento.

Nesse caso, não podemos encontrar uma filosofia de ministério comum a todas as Igrejas. Cada comunidade cristã é responsável por elaborar-discernir sua filosofia à luz de bases bíblicas e teológicas.

A Ibab deriva sua filosofia avaliando a realidade religiosa contemporânea à luz dos referenciais do Antigo e Novo Testamentos, como segue:

Estrutura AT Hoje NT
Atividade Culto (Dt. 12: 11, 12) Culto Todas (I Co. 10: 31)
Dia Sábado (Ex. 20: 8) Domingo Todos (Cl. 2: 16, 17)
Local Templo (II Cr. 7: 12) Templo Todos (At. 7: 47-50)
Pessoas Sacerdotes (Dt. 18: 1-8) Pastores Todas (I Pe. 2: 9, 10)

Não bastasse o padrão bíblico do Novo Testamento, a própria missão da Ibab a empurra para fora dos limites culto-clero-domingo-templo. Uma igreja que pretende levar o evangelho todo para o homem todo não pode ficar restrita a eventos esporádicos, principalmente aos finais de semana.

À luz desta compreensão, a Ibab declara que sua filosofia de ministério implica priorizar relacionamentos, envolvendo todos os seus participantes além dos limites culto-clero-domingo-templo. Esta declaração de filosofia traz consigo três princípios fundamentais da Escritura.

Em primeiro lugar, afirmamos que pessoas precisam de Deus; pessoas precisam de pessoas. Relacionamentos é a palavra chave da vida da Ibab. Toda a Escritura está alicerçada na afirmação de Deus: "Não é bom que o homem esteja só" (Gênesis 2: 18). Desde então, "melhor é serem dois do que um" (Eclesiastes 4: 12). Cremos na Igreja como corpo de Cristo, no sentido em que Cristo age no mundo através da Igreja (Atos 1: 1); isto é, Cristo age no mundo através de pessoas.

Discipulado se faz através de relacionamentos. Discipular é ensinar a guardar todas as coisas que o Senhor Jesus mandou (Mateus 28: 19, 20): mostrar o evangelho funcionando no dia-a-dia (II Timóteo 3: 10-12).

O cuidado do rebanho se faz através de relacionamentos, pois "admoestar os insubordinados, consolar os desanimados e amparar os fracos" é dever de todos os cristãos (I Tessalonicenses 5: 14), mesmo porque a dinâmica da igreja está alicerçada nos mandamentos recíprocos (uns aos outros), abundantemente enfatizados no Novo Testamento.

Ministérios são desenvolvidos através de relacionamentos. Ministério, serviço, diaconia, não é algo ligado a estruturas e programas, mas sim a pessoas. Não importa qual seja a área de atuação da igreja, a Ibab se propõe a desenvolvê-la através de relacionamentos. Não basta a oferta financeira mensal para missões, é necessário o contato com os missionários no campo. Não enfatizamos a evangelização em massa, mas sim o evangelismo pessoal. Não nos contentamos em distribuir cestas básicas aos necessitados, mas nos preocupamos em atender às necessidades integrais daqueles que recebem nossa ajuda. Enfim, valorizamos sempre o contato pessoa-pessoa.

Em segundo lugar, cremos que todo cristão é um ministro. Uma das mais extraordinárias verdades resgatadas pela Reforma Protestante foi a doutrina do sacerdócio universal de todos os cristãos. Isto é, todos os cristãos têm livre acesso a Deus por meio de Jesus Cristo, e todos os cristãos têm a autoridade e todos os recursos necessários para representar o Senhor Jesus no mundo.

Isto implica dizer que o ministério é tarefa de todo o povo de Deus, e não apenas dos ministros ordenados. Ministério não é apenas o trabalho dos pastores da Igreja. Todo serviço cristão realizado por amor a Cristo e ao próximo é ministério (gr. diakonia). O Espírito Santo dá dons e ministérios a todos e cada um dos cristãos (I Coríntios 12: 4-7, 11; II Pedro 2: 9, 10) e, justamente nesta compreensão, é que afirmamos que todo cristão é um ministro, o que justifica o fato de que a Ibab quer cumprir sua missão através de todos os seus participantes.

A edificação (crescimento qualificado) de uma comunidade cristã está na proporção direta de sua capacidade de mobilizar todos os seus membros à luz dos dons espirituais e ministérios pessoais.

Em terceiro lugar, cremos que a Igreja é o corpo vivo de Cristo. A ênfase em relacionamentos e a convicção de que todo cristão é um ministro, apontam para o fato de que a Ibab não é apenas uma "comunidade reunida para culto", mas um organismo vivo que, através de seus membros, se espalha por todos os lugares, todos os dias, fazendo tudo para a glória de Deus (I Coríntios 10: 31). O ministério de uma igreja não é medido pelo número de pessoas que freqüentam seus cultos, mas pela dinâmica de vida dessas pessoas no dia-a-dia da comunidade cristã e seu serviço no mundo.

Nesse contexto, os pequenos grupos ocupam lugar central no cotidiano Ibab. Pequenos Grupos são células de 3 a 12 pessoas, com afinidades, e comprometidas entre si, que buscam aprofundar seus relacionamentos com Cristo e experimentar a realidade do corpo de Cristo, a partir de reuniões regulares.

A Ibab, portanto, quer levar o evangelho todo para o homem todo, todos os dias, em todos os lugares, através de todas as atividades de todos os seus participantes. Mais uma vez, a palavra integral qualifica a Ibab e sua rede de relacionamentos e serviços.

FINAL DA ÁREA DE TEXTO
ASSISTA AO VÍDEO DE BOAS VINDAS
MINISTÉRIO DE PEQUENOS GRUPOS
PROGRAMA DE VOLUNTARIADO MINISTERIAL
REDE IBAB SOLIDÁRIA
FÓRUM CRISTÃO DE PROFISSIONAIS
SPACER
FIM DA ÁREA DE CONTEÚDO